Precisamos falar sobre sexualidade feminina

Atualizado: Mar 2

Nossos corpos e sexualidade são complexos sim, mas vamos vencer os tabus e entender esse universo, pois é mais do que necessário.


Foto de Dainis Graveris no Pexels



Antes de começar a falar sobre esse assunto, precisamos entender que sexualidade feminina não abrange só mulheres cis com vagina. No entanto, o foco deste texto será sim tratarmos as particularidades de corpos com vagina, porque acreditamos que é um assunto pendente na agenda da sexualidade e existem muitos mistérios ainda que neste texto queremos abordar.


Como estão as coisas hoje


Quantas vezes nos sentimos insatisfeitas, escutamos desculpas e presenciamos erros e desinformações na hora do sexo? É sempre hora de aprender alguma coisa nova, claro, mas a questão é que precisamos falar de prazer feminino e deixar as coisas bem claras, pelo menos em relação às coisas básicas. Cada pessoa tem suas preferências, nada está escrito na pedra, mas existem algumas verdades e constantes que a maioria das mulheres cis vivenciam que até hoje, muitos ignoram.


Algumas pessoas acham que a mulher com vagina não sempre quer ter um orgasmo, e não me mal interpretem, pode ser que a pessoa eventualmente não queira mesmo, mas achar que isso acontece frequentemente, está errado. A maioria das mulheres quer sim, gozar.

Outro preconceito, por exemplo, é acreditar que mulheres que não conseguem chegar no clímax frequentemente, é normal, ou que são menos sexuais, e por aí vai...


A realidade é que muitas mulheres desconhecem seu corpo, muito por fazerem parte de uma sociedade que condena o autoconhecimento sexual feminino, desde sempre. A ignorância, muitas vezes, leva elas a fingirem durante a relação sexual por vergonha de serem consideradas frígidas." Alguma coisa está errada comigo? Como é que não estou curtindo?"

Também precisamos reconhecer que, do outro lado, tem parceiros que não só são ignorantes, mas também, muitas vezes, pouco se interessam em descobrir e agradar aquele corpo.


Desmistificando o prazer feminino


Sabia que o orgasmo feminino é mais potente que o masculino? Em média o orgasmo masculino dura 5 segundos e o feminino 20 segundos, sem esquecer que a mulher pode ter mais de um orgasmo seguido do outro. Alias, você já experimentou?


É importante que o prazer feminino seja desmistificado e levado a sério, precisamos nos conhecer primeiro, para que o outro consiga nos conhecer. Sermos claras, falar e explicar com todas as palavras o que for preciso para construirmos com o nosso parceiro uma relação sexual positiva e gostosa, para os dois. Mas o que falar, quando não nos conhecemos e, consequentemente, não sabemos do que gostamos?


Corpos com pênis e corpos com vaginas


Vamos começar separando as águas. Quando falamos de prazer para corpos com vagina e corpos com pênis, em linhas gerais, estamos falando de coisas beeem diferentes. É necessário entender, que o que dá prazer para um corpo com pênis, não sempre, de fato a maioria das vezes não, dá prazer para um corpo com vagina.


Sabe aqueles filmes pornôs cis que assistiu alguma ou várias vezes? Esquece! Vou te falar uma verdade: o pornô é um produto cinematográfico de ficção, que está longe de ser o retrato da uma sexualidade saudável e positiva. É um produto feito por e para homens cis, cheio de mentiras sobre o prazer feminino e até o masculino, se se considera que, quando o prazer é dos dois, ele se potencializa.


Algumas inverdades que a indústria do pornô difunde são, por exemplo, que o orgasmo sempre chega. Os protagonistas nunca terão um dia ruim, nem se sentirão desconcentrados, nem começarão a sentir desconforto e preferirão deixar para outro dia.


Outra mentira do pornô é que a excitação aparece num passe de mágica. Antes de passar a fazer sexo com alguém, precisamos de um aquecimento. Não se trata apenas das mal chamadas preliminares, mas da sedução prévia, dos gestos que mostram o desejo do outro e, obviamente, da estimulação de mais partes do corpo antes de passar aos genitais.


O corpo é erógeno, como um todo. Mas existem regiões mais específicas e efetivas para aumentar a excitação de um corpo com vagina como: a pele em geral, as costas, cabeça, seios, pescoço, bum bum, clítoris, vagina, anus, períneo e a mente, sim, a mente da pessoa! A excitação pode ser sim, mental, mas cuidado! Se para você, homem, excitar a sua parceira consiste em falar o tempo todo sobre seu pênis e como você irá penetrá-la, talvez precise parar e perguntar se ela está gostando mesmo dessa fala. Tem pessoas que, pelo contrário, perdem completamente a excitação.


A penetração não é o centro


O que caracteriza a nossa sociedade quando falamos de sexualidade é uma mentalidade falocêntrica. Ou seja, uma mentalidade focada no genital, que reside na convicção de que o falo (o pênis) é o rei da festa (e do sexo) e que o prazer é sinônimo de penetrar esse falo em todos os buracos possíveis e imagináveis do ser humano. Esse é o recado passado pelo patriarcado e reforçado pela pornografia, que gera mais tabu e desinformação.

Uma mulher pode sentir prazer e chegar no clímax sem penetração. De fato, a maioria das mulheres não consegue o orgasmo só com penetração. Isto não significa que não seja uma parte importante, mas precisamos deixar claro que não é o centro e tampouco indispensável.


Uma pesquisa recente mostrou que enquanto 86% das lésbicas dizem chegar ao orgasmo na maioria das relações, apenas 65% das heterossexuais e 66% das bissexuais afirmam o mesmo. Mulheres com vagina que se relacionam entre si, que conhecem seus corpos e os das suas parceiras, conseguem sentir mais prazer que mulheres com vagina que se relacionam com homens cis. A pesquisa também fala que o sexo oral é mais comum entre mulheres lésbicas que entre relacionamentos heterossexuais, o que parece estar dificultando bastante o gozo feminino nesses últimos relacionamentos.

Muitos homens com pênis sentem o ego ferido quando se fala de que seu órgão genital não é tão importante assim para dar prazer a um corpo com vagina. Mas é importante aceitarmos a realidade, meninos: seu pênis não é o centro, não é o que faz acontecer, não é o rei da noite, nem a chave do sucesso. É mais uma parte, importante, mas é isso. Sexo oral, masturbação, carinhos, beijos, mordidas (sem machucar), são a maioria das vezes mais efetivos para fazer uma mulher gozar.


ABC de uma vida sexual prazerosa


Se masturbar, falar e colocar em prática são os três passos que te levarão a uma vida sexual mais gostosa e positiva. Abra a sua mente, saiba que na sexualidade tudo é válido, sempre que faça bem para você e os outros que estejam com você.


Existe um tabu enorme sobre a masturbação feminina e uma carta branca para a masturbação masculina. Como se uma coisa fosse necessária, e a outra, impura.

A realidade é que se você não se conhece, como você espera que a pessoa que está junto te conheça? Pode ser até um descobrimento em conjunto, mas não deixe de fazer!


Falar com o parceiro do que você gosta, tentando não ser autoritária demais, para não acabar com o clima, claro. Fale sempre do que você gosta que a outra pessoa faça e também daquilo que você não gosta. Às vezes pode acabar com o clima, sim, mas são situações nas quais talvez você tenha que sacrificar um momento de intimidade, para ganhar muitos mais no futuro, e melhores também.


Por último leve para a prática, falar, imaginar, testar, é legal, mas só na prática que a gente vai aprimorando as técnicas. Ninguém nasceu sabendo, e com o passar do tempo, todos ficamos melhores.


Não sinta vergonha nem medo de falar do que você quer, se a pessoa não está disposta a escutar, talvez seja preciso escolher melhor o seu parceiro de aventuras. :)


Bons orgasmos!



Escrito por,

Equipe Impacto



Referências:

https://prazerela.com.br/

https://doutorjairo.blogosfera.uol.com.br/

https://brasil.elpais.com/


Escrito por,

Equipe Impacto


20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo